Longevidade e Saúde Plena

Longevidade e Saúde Plena
14 March

Longevidade e Saúde Plena

Os japoneses são conhecidos por sua longevidade e expectativa de vida. Em um estudo de 2013 do Ministério da Saúde, foi relatado que as mulheres japonesas podem esperar viver em média 86,41 anos (1º lugar no ranking do mundo) e os homens japoneses podem viver em média de 79,94 anos (5º lugar no mundo). 

Por que os japoneses têm uma expectativa de vida tão longa como na cidade de Okinawa vivendo mais de 100 anos?
            Além da longevidade, os japoneses têm menor incidência de doenças crônicas relacionadas à idade em comparação com a população ocidental. É a sua boa genética, dieta saudável, estilo de vida ativo, sistema de saúde universal ou é devido a um superalimento? Sabemos que a dieta japonesa é de baixa caloria, rica em frutas, legumes e peixes. O alimento é considerado um remédio no Japão. No entanto, um alimento se destaca: algas marinhas. A alga não é uma planta, são organismos únicos ou multicelulares agrupados em aglomerados. Estas espécies contêm altas concentrações de fucoidanos, que podem facilitar a regeneração de tecidos, a comunicação célula a célula e melhorar a imunidade, ajudando a combater o câncer, doenças cardiovasculares, doenças infecciosas, síndrome metabólica e outras doenças degenerativas.
            Na medicina chinesa tem sido usado para melhorar a saúde digestiva, saúde do coração, regular hormônios, desintoxicar o corpo e é usado como tônico com, suas propriedades antiviral / bacteriana.
            O consumo de algas marinhas não trazem apenas benefícios para a saúde, mas também é muito elogiado para melhorar a aparência da pele, do cabelo e manter o corpo magro.
            Existem muitas variedades de algas comestíveis: wakam, kombu, umi-budo, arame, hijiki, mozuku, eucheuma, cottonii entre outras, que são classificadas como variedades, vermelha, verde e marrom.
As algas marinhas são uma proteína completa que é baixa em calorias e gordura, rica em fibras, antioxidantes, nutrientes e contêm altos níveis de iodo, cálcio, magnésio, potássio, ferro, manganês, fósforo, zinco, vitaminas A / B / C / D / E / K e ácidos gordos ômega-3, em relação a outros alimentos.
            São usadas extensivamente em culinárias costeiras como na Nova Zelândia, Islândia, Noruega, Escócia, Irlanda, Ilhas do Pacífico e América do Sul e usada em dietas asiáticas desde tempos pré-históricos. Evidências arqueológicas sugerem que as culturas japonesas têm consumido estes legumes do mar há mais de dez mil anos.
            Tente adicionar as algas marinhas a sua dieta, elas podem ser encontradas em forma de chás, shakes, desidratadas e em pedaços, ou ainda em forma de farinha. Experimente usar a farinha de alga no lugar do sal sobre seu alimento. Adicione a wakame e cottonii nas sopas. Já as mekabu, wakame, eucheuma, ou a sea bird podem ser uma inspiração para saladas. Ou ainda prepare sobremesas e shakes com a cottonii, eucheuma ou sea bird. O objetivo é consumir de 4-6 gramas de algas marinhas por dia para obter os benefícios destes vegetais.

Mas não vá ao mar e pegue as primeiras algas que encontrar, pois muitas não são comestíveis e podem ser prejudiciais à saúde humana


Hábitos saudáveis


         Mas além da alimentação equilibrada e rica em algas marinhas, outros hábitos também fazem parte da rotina dos japoneses. Entre eles está o hábitos de tomar chá verde, banhos de ofurô com água termais ou águas marinhas, além de usarem a técnica “ hara hachi bu” na hora de se alimentar, que consiste em parar de se alimentar quando se está 80% satisfeito e não até a barriga estufar. Ainda são rigorosos com a medicina preventiva e têm muita consciência sobre a saúde e higiene.


         Entre todos estes hábitos, ainda cultivam um dito popular “mente sã, corpo são”. Isso porque no Japão, a maioria dos japoneses idosos continuam na ativa, dirigindo, cuidando de suas plantações, caminhando com seus cães ao redor do bairro e realizando várias tarefas junto à comunidade onde vivem. As atividades diárias aliadas ao engajamento social, ajudam a manter a saúde física e mental.

         Os idosos estão sempre interagindo com as pessoas ao seu redor, seja no mutirão de limpeza do bairro ou nos centros recreativos que promovem atividades em grupo e onde se reúnem para a famosa ginástica matinal, o radio taiso. Embora sejam simples, os exercícios ajudam a exercitar o corpo

Como em todo lugar, nem tudo é 100% perfeito. Lá também existem alguns vilões que prejudicam uma parte da população. Alguns deles estão ligados ao alto consumo de sódio (presente no shoyu), além de hábitos não saudáveis como vida sedentária, má alimentação, consumo de tabaco e bebidas alcoólicas e estresse

Há também um fato triste e preocupante, que parece atingir especialmente a população idosa no Japão. É o chamado de Kodokushi, que significa “morte solitária”, um problema desencadeado pelo distanciamento dos laços familiares e que hoje faz parte de triste realidade, não só no Japão, como também em outras partes do mundo, por isso deixaremos estes itens para um outro post


Fonte 1:  O texto original foi escrito por  (Dr. Ailin Oishi-Stamatiou, BSc Hons, DC, é um quiroprático licenciado e registrado que pratica em Leaside, Toronto)  para o jornal - NIKKEI VOICE – Um jornal Japonês Canadense.
http://nikkeivoice.ca/optimum-health-longevity-and-seaweed-the-not-so-secret-ingredient-to-living-a-longer-life/ 

               Fonte 2 :  O texto Hábitos saudáveis,  inspirado na publicação e Silvia Kawanami , do site Japonês em foco.
  http://www.japaoemfoco.com/7-segredos-da-longevidade-do-povo-japones/ 

 

 

 

Adicionar Comentário